Um Midrash Covid Moderno

Em abril, uma equipe chefiada pelo Dr. Osnat Luxenburg, diretor de Tecnologia Médica e Administração de infraestrutura do Ministério da Saúde de Israel, conduziu uma extensa investigação sobre todas as vacinas da Covid que estavam sendo pesquisadas no mundo todo. Por fim, a equipe recomendou opções de compra para a vacina oferecida pela Moderna.

A empresa de biotecnologia com sede nos Estados Unidos estava garantindo sua capacidade de fabricação permitindo que os governos pagassem antecipadamente por doses de vacina.

Como seus concorrentes Sanofi, Pfizer e outros, Moderna estava experimentando uma abordagem de vacina nunca feita antes para humanos.

Nas vacinações tradicionais, uma versão enfraquecida ou morta do vírus é introduzida no corpo, desencadeando a criação de anticorpos que atacariam o vírus vivo caso a pessoa fosse exposta a ele.

Na nova abordagem (chamada de mRNA), pedaços de RNA mensageiro que contêm o modelo químico de um espigão de proteína (os espigões são o que o vírus usa para se ligar a uma célula humana - o primeiro passo para adoecer alguém) do SARS-CoV- 2 vírus são injetados em um ser humano.

Isso faz com que o corpo monte uma resposta imune a essa proteína viral, assim como nas vacinas tradicionais. “Basicamente, o paciente faz sua própria vacina”, diz o narrador de um vídeo da Moderna sobre a vacina. “Isso elimina o intermediário.”

O fato de que em junho a alegação da Moderna foi baseada em testes de fase um com apenas oito pacientes e que Israel teve que pagar 240 milhões de shekels (U$ 71 milhões) para garantir sua prioridade na linha de abastecimento, certamente foi uma grande aposta.

Como Ronny Linder repórter no "Haaretz" escreve: o contador-geral do tesouro na época, Rony Hizkiyahu, se opôs à aprovação do acordo sem fazer uma oferta devido aos altos riscos associados ao pagamento de uma empresa que desenvolve uma vacina usando nova tecnologia, sem garantia de que eles poderiam entregar o bem. O Conselho de Segurança Nacional também se opôs ao acordo, temendo que os acordos com empresas privadas tirem o vento das velas daqueles que trabalham para desenvolver uma vacina israelense do Instituto de Pesquisa Biológica. ”

No final, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu decidiu prosseguir com a compra.

Pelos termos do contrato com a Moderna, a empresa fornecerá dois milhões de doses da vacina - o suficiente para um milhão de israelenses. Equipes médicas, grupos de alto risco e mulheres grávidas estariam entre os primeiros a serem vacinados.

A principal instalação da Moderna nos Estados Unidos é destinada à distribuição doméstica, no entanto, a empresa se associou ao fabricante suíço de biotecnologia Lonza para produzir as doses que abastecerão Israel.

O diretor médico da Moderna, Dr. Tal Zaks disse que "O adiantamento que Israel pagou ajudou a construir as linhas de produção da empresa."

Nascido há 54 anos em Israel, o Dr. Zaks recebeu seu diploma de médico e doutorado da Universidade Ben Gurion e serviu nas Forças de Defesa de Israel como médico. Ele é filho de um ex-presidente da União Matemática de Israel. Sua mãe de 80 anos ainda mora em Ra'anana.

O Dr. Zaks e dois outros pesquisadores - Alexander Gintsburg, diretor do Instituto de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya em Moscou, e Shmuel Shapira, Diretor Geral do Instituto de Pesquisa Biológica de Israel fora de Tel Aviv - foram nomeados como número 2 na lista dos 50 judeus mais influentes de 2020 do Jerusalem Post.

Ele se mudou para os Estados Unidos em 1996, onde inicialmente veio para estudar imunologia de tumor no National Cancer Institute e completar seu treinamento clínico em medicina interna no Temple University Hospital. Ele ingressou na Moderna em 2015 depois de ter ocupado cargos na GlaxoSmithKline no grupo de pesquisa genética e na Sanofi como vice-presidente sênior e chefe de Oncologia Global. O que o atraiu para a Moderna foi sua missão de construir uma nova classe de medicina.

Em uma conversa com Mike Milken em maio passado, o Dr. Zaks disse

“Já não se tratava mais de como tomar esse medicamento e transformá-lo em um medicamento contra o câncer. De repente, se eu conseguisse fazer que isto funcionasse, que tipo de remédios e vacinas poderíamos fazer? Para alguém que definiu sua paixão como a tradução da ciência em medicina, esta foi uma forma completamente nova e muito mais profunda de enfrentar esse desafio. Se tivéssemos sucesso, isso teria implicações e impactos muito além do que eu poderia imaginar no momento. ”

Dr. Zaks, que atuou como médico voluntário no Philadelphia Veterans Administration Medical Center, tratando pacientes com câncer geniturinário, a 9 de novembro de 2020, tinha um patrimônio líquido estimado de pelo menos US $ 11,6 milhões, de acordo com "Wallmine". No entanto, conforme divulgações feitas à Securities and Exchange Commission, o Dr. Tal fez 39 transações com as ações da Moderna que possui, ganhando-lhe mais de US $ 50 milhões desde o início da pandemia.

 

Há muitas lições e inspirações para aprender com esta história, mas certamente, este é um "derrame" da “start-up-nation” e uma visão do lugar de Israel no século 21 que vale a pena ponderar